Prometeu (poesia)


Mara Lígia Biancardi

No silêncio
trago a dor
de um coração
surrado
posto a chorar
de dor insana
de uma poesia
prolixa
que brotou da dor
da alma do poeta

a dor continua...
dói mais a cada dia
corrói o aço
supura a ferida
ecoa o mito...

deixe um recado | voltar

Mara Lígia Biancardi

E-mail: mlbianca@uol.com.br

Pageviews desde agosto de 2020: 846

Site desenvolvido pela Plataforma Online de Formação de Escritores