Rapto (poesia)


Mara Lígia Biancardi

No respirar da noite
Ofegante ainda
Sussurro meias palavras
Ouço boa música
Leio Dom Quixote
Trago o ar
Que penetra as narinas
Desligo-me do mundo.
Peregrino por cantos
Até então desconhecidos
Procuro pelo amado...
E a noite longa
Com a lua desnuda
Sequestram-me!

deixe um recado | voltar

Mara Lígia Biancardi

E-mail: mlbianca@uol.com.br

Pageviews desde agosto de 2020: 849

Site desenvolvido pela Plataforma Online de Formação de Escritores