O silêncio é de vidro


Rosane Rommel Cardoso

A rua é deserta
O silêncio é de vidro
Um sonolento vapor se tece de luz
Percorro as ruas de pés descalços
cabelos e boca vermelhos
no percalço de fantasmas
que no uivo do vento
correm de braços abertos
brincando de bater nas esquinas

A rua é deserta
O silêncio é de vidro
Os relógios brincam de demorar
Sob o sol causticante
espero por ele
Um silêncio perverso
Um estrépito de asas
A rua se estilhaça
O silêncio e meu coração
são de pedaços!



voltar

Rosane Rommel Cardoso

E-mail: rosanerommel@hotmail.com

Pageviews desde agosto de 2020: 829

Site desenvolvido pela Plataforma Online de Formação de Escritores