Carta de Alforria


Soraia Schmidt

Para Clara
No princípio foi assim. Uma ideia, um sonho. Depois virou espera, ansiedade, preocupação, angústia, tristeza. Mas entre pedras e perdas, a semente vingou. Do verbo ao ventre, do ventre para o mundo. A vida se fez e revelou forças. Minhas e tuas. Tempos difíceis, de provações, privações, desgastes. Testes de resiliência. De ventos, chuvas, noites, e esperas, o encontro se deu. Meu desejo, tua vida.
Do desejo ao sonho, do sonho a realidade, um dia, a vida se fez. Forte, persistente, desafiadora. Estavas ali, toda criatura, em 2.300 quilogramas e 45 cm de matéria viva. Olhar de cristal. Vitral esverdeado, espelho infinito. Beleza genuína, pura. Sagrada. Cheia de promessas e mistério. Alegria. Pânico. Tamanha fragilidade que quase morri. De medo, de insegurança, de sensação de incompetência, de insuficiência, de inexperiência.
- Ahn? Como assim, ser o único alimento de alguém? E que depende disto pra sobreviver?
Alguns socorros aqui, outros acolá, sobrevivemos. Dormimos 6 meses grudadas e sentadas. Tu no meu peito (literal e metaforicamente), e eu, recostada em almofadas, que davam apoio ao pescoço, cabeça e braços. Meio bicho meio gente, instintivamente, nos unimos. Teu refluxo gastroesofágico era severo, com alergia a qualquer proteína. Só leite materno, de 2/2 horas, que duravam 45 minutos cada mamada, e só dormias assim. E eu, fazia dieta especial, sem nada que contivesse leite e carne bovina. Coisa difícil, pois tudo contém leite. Presta atenção, até bolacha de “água e sal”. Simbioticamente, nos unimos e nos retroalimentamos. Força da mulher, força de mãe, força da vida.
A destarte disto, o mundo se abriu. E foi só o princípio.
Que te vás agora, pra muito além de mim.
Que leve essa semente que te fez. De perseverança, paciência, esperança e amor. A coragem de seguir a voz do desejo mais puro e profundo e, por isto, verdadeiro. Que saibas ser sábia aprendendo a te escutar em meio a tantos e ruídos.
Viverei contigo no brilho do teu olhar e em cada sentido teu.
Em mim, estarás dentro para sempre, pois fecundaste minha alma. Dar vida é ganhar vida.
Que te vás. Levarás contigo o melhor de tudo. O amor e a liberdade.
Serás feliz para sempre, pois ser feliz é isto. É carregar a semente dentro de si. Plantada na essência do teu ser, onde sempre estarei.
PS: Esta é uma carta pra ser lida nos momentos de muita saudade, quando bater a solidão, o desespero. Aquela saudade doída que dá vontade de morrer.
No mais, sei bem meu papel. Tô fora numa boa.
Viva a alforria!
Tua e minha.

voltar

Soraia Schmidt

E-mail: schmidtsoraia@gmail.com

Pageviews desde agosto de 2020: 529

Site desenvolvido pela Plataforma Online de Formação de Escritores